Pescadores vão se reunir hoje em Baixo Guandu-ES para definir novas estratégias e ações.

Associações de pescadores que representam 12 cidades ribeirinhas do Rio Doce, vão se reunir na manhã desta sexta feira (01/02), a partir das 10hs, em Baixo Guandu, na região Noroeste do Espírito Santo.

De acordo com o presidente da Colônia de Pescadores Z-12, Claudio Marcio Pereira de Alvarenga, que organizou a reunião, serão avaliadas novas estratégias e ações para cobrar da Fundação Renova uma posição sobre as ações de reparação dos danos causados aos atingidos pelo rompimento da barragem de Mariana, ocorrido em 2015.

No dia 14 do mês passado, esses mesmos pescadores manifestaram em Baixo Guandu e bloquearam a estrada de ferro Vitória a Minas, que só foi liberada graças a uma Liminar expedida pela justiça.

Naquela ocasião a Fundação Renova conversou com o movimento dos pescadores e pediu um prazo de 15 dias para avaliar uma vasta lista de reivindicações feita pelas associações de pescadores de 12 cidades.

No último dia 30 de janeiro, o prazo pedido pela Renova findou sem que a fundação respondesse aos pescadores. Na reunião de hoje os pescadores vão decidir novas ações a serem tomadas para cobrar a Renova.

O presidente Cláudio esteve no gabinete do prefeito Neto Barros e fez um convite para que o prefeito participasse da reunião. Neto aceitou o convite e confirmou presença na reunião, que acontecerá no auditório do CRAS, no bairro Sapucaia, ao lado do estádio Manoel Carneiro.

O prefeito Neto Barros reafirmou o propósito de luta contra a ineficácia da Fundação Renova em reparar os danos materais, ambientais e sociais provocados pela lama despejada no rio Doce em 2015.

Além do prefeito de Baixo Guandu, foram convidados também prefeitos da região e representantes do Ministério Público do Trabalho e das Defensorias Públicas da União e do Estado.

Os atingidos pela lama da Samarco querem respostas da Fundação Renova a uma série de reivindicações, entre elas o pagamento do lucro cessante, o retroativo do auxílio emergencial e o reconhecimento de atingidos com processos paralisados.

Redação: Jornal ATV – A Tribuna do Vale o seu portal de notícias online.